Essa página é uma compilação de dicas e experiências pessoais para ajudar e ou esclarecer a prova do idioma leto feitas por Andreis Purim. Isso não significa que o sua prova do idioma será exatamente assim – mas muito provavelmente irá ajuda-lo a entender melhor os passos.

Lembre-se que a prova do idioma no formato apresentado aqui se aplica apenas aos que estão no processo “Letos e Livos“, e não é necessário para o processo de “Exilados“.

1. Por que RAIOS eu preciso aprender leto para conseguir a cidadania? Sim, Pode parecer desestimulante ou desinteressante precisar aprender leto para conseguir a cidadania, mas a razão é bem simples:

Nos últimos 820 anos de história leta, com exceção de 50 deles, a língua leta foi apagada, proibida, censurada e perseguida por reis, imperadores e tiranos estrangeiros. A ponto de que em vários momentos da história, os livros escritos em leto precisavam ser contrabandeados. A última tentativa disso foi de 1940 até 1991 pela União Soviética, que não só tentou proibir o leto como levou milhares de letos para trabalho forçado na Sibéria. Além disso, a união soviética trouxe milhares de trabalhadores russófilos para substituir os letos na cidade.

Só no século passado o status da língua leta – e a cultura do povo leto – foram ameaçados até sua quase extinção. Para um povo que perdeu familiares pelo simples crime de falarem leto, a ideia de um cidadão leto está intimamente ligado com a ideia de entender a língua. Alguém tentar se tornar um cidadão leto sem falar uma palavra de leto é não só inaceitável como desrespeitoso.

E além disso, a obrigação de falar leto é um ótimo jeito de forçar aqueles interessados em terem um contato cultural muito maior. Pense bem: se não fosse por isso você talvez nunca colocaria o pé na Letônia – e reflita em quantos brasileiros com cidadania da Itália não são capazes de identificar seu país no mapa.

Não é dificil aprender. Eu aprendi. Minhas duas irmãs aprenderam. Meu pai de 65 anos aprendeu. Então, se a prova do idioma parece algo tão ruim, tome-a como um mal necessário.

2. Ok. Quanto tempo preciso estudar? O quanto de leto eu preciso falar? Não muito, para ser bem sincero. Abaixo teremos alguns exemplos específicos de assuntos na prova, mas em geral é o nível mais básico de entendimento (considere algo como nível A1 no sistema europeu – ou algo como 1 semestre de aula de idiomas em escolas como o Instituto Goethe). Cada pessoa pode ter uma facilidade ou dificuldade diferente com idiomas, então o tempo depende da dedicação, preparo e tempo dedicado ao estudo.

3. Por onde posso estudar? Se você quer livros para se basear, Learn Easy Latvian, Complete Latvian e Laipa (A1 e A2) são boas opções (eu possuo alguns escaneados no drive, basta pedir). Assistir vídeos como Irregular Latvian no youtube também são úteis para a imersão. Há algumas pessoas que podem dar aula de leto (presencial ou online) para você, basta procurar. Algumas opções são o Prof. Alfredo Peterlevitz em Nova Odessa, e a Renate Albrecht.

4. Posso adiar a prova de leto? Posso REPROVAR a prova de leto? Sim, é possível adiar a prova de leto – assim que o PMLP decidir marcar, o quanto tempo você achar necessário. E sim, é possível reprovar a prova de leto. O máximo que acontecerá é que você precisará remarcar para 2 meses após a prova reprovada. Não tem problema reprovar e muitos letos-brasileiros conseguiram passar depois de reprovar uma vez.

5. A Prova é feita na Letônia? Tem algum jeito de não fazê-la? Sim, a prova é realizada na Letônia MAS se a comunidade no Brasil se organizar e pedir para a agência de língua leta, eles podem decidir mandar uma equipe para realiza-la aqui, segundo o Embaixador da Diáspora, aprox. 20 interessadas pessoas já seria capaz de convence-los.

Há também um jeito de não fazer a prova de leto. Basta você possuir um certificado de leto nível A1 ou maior. Há alguns cursos de verão (cerca de 1 mês e meio) na Universidade da Letônia voltados para descendentes de letos que podem dar esse certificado.

A seguir está como a prova é realizada:

A Prova de Leto

A prova é 100% oral, então você não precisa dominar a gramática nem escrita. Mas esteja preparado para entender a pergunta das entrevistadoras e responder oralmente. Não se preocupe com seu sotaque, isso não é avaliado.

A prova será marcada em um dos escritórios do PMLP. Você deve chegar com um pouco de antecedência para achar o local da sala. A banca examinadora é normalmente composta por três avaliadores e um “tabelião” que irá anotar tudo da prova. A prova também é gravada para permitir possíveis reavaliações.

Os candidatos serão convidado para dentro da sala e devem sentar-se nas carteiras disponíveis. A banca examinadora irá verificar os documentos de candidato e o chefe da banca explicará as leis que estão amparando a prova do idioma. (Sinceramente, os termos técnicos dessa parte são bem ruins e você vai entender no máximo uns 20% do que está sendo falado). Os avaliadores perguntarão se os aplicantes desejam esperar no corredor ou na sala enquanto outros realizam a prova. Uma dica é escolher esperar na sala pois você pode escutar as outras provas e se preparar mentalmente.

Parte I – Texto

Na primeira parte da prova, você receberá um texto e terá 30 minutos para ler em sua carteira. O texto possui um pouco menos de 20 linhas (aprox. 3 ou 4 parágrafos) sobre um tema básico, exemplos: Pão, Bicicleta, Chá Verde, Outono em Sigulda, etc…

Leia com atenção o texto. Procure informações chave (que ano algo foi inventado, quem inventou algo, etc…). As perguntas provavelmente se basearão nos formatos Kas? Ko? Kur? Kad?… (Quem? Como? Onde? Quando?…). Você tem tempo suficiente de ler o texto várias vezes.

Após terminar de ler o texto, você irá se levantar e com o texto em mãos irá se sentar na frente da primeira examinadora. A examinadora te fará no total, 5 perguntas. Há dicas muito importantes nessa parte:
– Você ainda está com o texto em mãos, para cada pergunta feita, você pode reler rapidamente o texto e procurar a resposta.
– As perguntas são diretas e concisas. As respostas estão no texto. Não há pegadinhas, não é preciso “extrair” algo implícito no texto. Elas também não perguntarão sua opinião sobre algo no texto.
– As perguntas estão em ordem. Ou seja, a segunda pergunta está, no texto, após a primeira pergunta, e assim vai. Ou seja: Você não precisa se desesperar e revirar o texto novamente, pense que a primeira pergunta está no primeiro parágrafo e siga neste ritmo.
– Você pode pedir – educadamente – para o examinador repetir a pergunta. Tente não abusar muito da repetição.

Para ser aprovado, basta acertar 3 das 5 perguntas. Uma dica é acertar as perguntas 1 e 2, que são fáceis e estão no começo do texto, e não se desesperar se você achar as perguntas 3 e 4 difíceis, pois a 5 normalmente está no último parágrafo e é um pouco mais fácil.

Parte II – Entrevista

Em seguida, você irá para a cadeira do lado (para o segundo examinador) e responderá algo em torno de 16 a 20 perguntas em uma entrevista oral. É o mesmo que o anterior: perguntas orais e respostas orais. Dessa vez você precisa ser capaz de formular uma resposta da própria cabeça, mas não se desespere: A mesa avaliadora está interessada em ver se você é capaz de entender a pergunta e dar uma resposta satisfatória, e não em formular frases bonitas. Ou seja, várias perguntas você é capaz de responder com uma palavra apenas.

Uma dica importante é que as respostas dadas não precisam ser 100% verdadeiras. Se a pergunta for “você pratica algum esporte?”, você pode responder “futebol”, mesmo não praticando-o – pois o objetivo é verificar sua capacidade de se comunicar.

Abaixo estão alguns exemplos em português das perguntas e respostas da minha entrevista. As primeiras cinco perguntas são básicas e perguntam coisas pessoais:

Pergunta Resposta
Qual é seu nome? Andreis Purim
Onde você nasceu? Curitiba
Onde você mora hoje? Curitiba, também
Qual seu telefone? 91234567
Qual sua idade? 18 anos (de idade)

As próximas perguntas normalmente giram em torno de 2 ou 3 temas aleatórios. Os temas são cotidianos, como assistir TV, escutar rádio, esportes, alimentação, casa, etc…

Pergunta Resposta
Você assiste TV? Escuta rádio? Usa a internet? A internet, normalmente
Com que frequência? Todo dia
Quantas horas? Duas ou três horas, depende
O que você faz na internet? Assisto filmes
Que tipo de filmes? Filmes de guerra
Quais sites você usa? Google, Wikipedia, Facebook, Netflix
O que você procura na internet? Nomes de atores
O que você faz? Sou estudante
O que você quer como profissão? Ser professor
Que tipo (de professor)? Professor de eletrônica
Você pratica algum esporte? Futebol
Onde você pratica futebol? No parque
Você pratica com alguém? Com a minha irmã

O número de perguntas pode sempre variar conforme o tamanho da sua resposta. uma resposta para “Onde você pratica futebol?” como “No parque” irá fazer os avaliadores fazerem mais perguntas relacionadas ao tema, enquanto uma resposta completa como “Eu pratico futebol no parque, sábado de manhã”, irá provar para os avaliadores que você domina mais o assunto.

A entrevista normalmente termina com uma pergunta final mais complicada, relacionada aos assuntos que foram falados. No meu caso, foi “O que você acha sobre a saúde dos jovens de hoje?”, pois os assuntos foram TV, internet e esportes. Eu respondi utilizando coisas que já haviam sido ditas antes: “Ah, não são saudáveis, não fazem exercícios e ficam muito na internet”

É fácil ficar nervoso na hora da entrevista e cometer erros de gramática, gaguejar ou até mesmo congelar na hora de responder. Mas os avaliadores normalmente são super gentis e estão torcendo para você passar na prova do idioma, e irão te encorajar ou as vezes até te dar um “empurrãozinho” na direção da resposta.

Se você atingir mais ou menos 16 dos 25 pontos avaliados, você será aprovado. A resposta é dada na hora, com aperto de mãos e congratulações por parte da bancada e você está livre. Caso você reprove, a banca irá te informar, explicar os erros e te aconselhar em como marcar a próxima tentativa.

Algo que não foi citado antes mas é importante saber é que se você reprovar, as próximas tentativas serão apenas a parte que você não passou. Isto é, se você passou na entrevista e reprovou no texto, a segunda tentativa será apenas o texto.