Essa página é uma compilação de dicas e experiências pessoais para ajudar e ou esclarecer o processo de cidadania feitas por Andreis Purim. Isso não significa que o seu processo de cidadania será exatamente assim – mas muito provavelmente irá ajuda-lo a entender melhor os passos. As dicas são baseadas no processo de Letos e Livos. Para os que estão se aplicando como Exilados, não é preciso considerar as partes sobre a prova do idioma.

1. Como eu provo que possuo um ancestral que viveu na Letônia entre 1881 e 1940? Simples, você só precisa de UM único documento qualquer que prove que seu ancestral viveu lá. Eu entrei com um processo no arquivo nacional para procurar coisas sobre o meu bisavô e bisavó. O Arquivo Nacional achou um documento de falecimento da mãe da minha bisavó em 1882 – e isso foi o suficiente de documentos da Letônia. Os próximos documentos necessários foram um arquivo do navio que trouxe minha bisavó (que foi possível achar no site Ancestry), a certidão de casamento dela no Brasil, do nascimento do meu avô, do casamento dele, o nascimento do meu pai, casamento dele, e meu nascimento. As vezes eles pedem todas essas certidões (casamento e nascimento) e as vezes só pedem nascimento – depende das mudanças na escrita do sobrenome, por exemplo.

2. Como eu procuro os documentos do ancestral na Letônia? Simplesmente sendo metódico e obsessivo. Sabendo a data e o nome dos seus antepassados que chegaram no Brasil já é um ótimo começo. Procure saber o ano aproximado de origem e possível cidade que vieram. Essas informações serão super necessárias se você for abrir um processo no arquivo nacional para procurar mais documentos. Lembre-se, há milhares de letos que já viveram – quanto mais informação, mais fácil será.

Você também pode facilitar muito o processo aumentando o nível de informações. Grupos como o Dzimtas Detektivs (Detetive de Famílias) no facebook são uma mina de ouro. Um site essencial se você quer fazer pesquisa sobre documentos antigos é o raduraksti – um site do arquivo nacional que disponibiliza diversos documentos e livros antigos da Letônia – basta você procurar no local e ano certos.

3. Abrindo um inquérito no Arquivo Nacional da Letônia. Digamos que você já achou informações o suficiente sobre os seus antepassados que achou no facebook, com familiares, pesquisando na internet – mas não achou um documento na Letônia ainda. Organize todas as informações que você tem siga as instruções do Arquivo Nacional para pesquisa genológica (em inglês). Basta escrever em um texto todas as informações que você possui. Há um custo envolvido com essa pesquisa.

4. O Formulário para Abrir o Processo de Cidadania. O formulário (o primeiro documento na lista dos processos) pode ser um pouco confuso por duas razões:

  • 1. O nome em leto: Os letos querem que você escreva seu nome de uma forma que seja consistente com a língua leta. Isso significa que o nome Andreis Gustavo Malta Purim se torna Andrejs Gustavs Malta-Puriņš, etc… etc… O nome que for preenchido ali será a forma que será escrita no seu passaporte e outros documentos. As vezes os nomes são convertidos para sua forma em leto (Carlos vira Karlis) ou então são transformados em formas fonéticas (Carlos virando Karluss – que soa mais parecido com o original). Se você está em duvida, contacte o a Agência da Língua Leta pelo email konsultacija@valoda.lv.
  • 2. Etnia (Tautība): No formulário há umas caixinhas para marcar sua etnia. É um erro comum querer marcar “outro” e escrever “brasileiro”. Não faça isso. Os letos entendem que você é etnicamente leto e está se aplicando para a cidadania como um. Portanto, marque “Latvietis” na sua etnia.

5. Traduzindo Documentos e Enviando. Com os documentos em mãos, você vai precisar traduzi-los para o leto para envia-los. (Nota: segundo o site do PMLP, isso parece não ser obrigatório e traduções enviadas pelo exterior podem ser enviadas em outras línguas (leia a parte de onde submeter no processo), mas não conheço ninguém que já fez isso, se você está em dúvida mande um email para lá). Se você for traduzir do Português para Leto, não há um “tradutor juramentado” no Brasil, então converse com falantes de leto nativos no Brasil. Para enviar, converse com o Consulado da Letônia no Brasil ou a Embaixada da Letônia em Portugal ou então contacte o PMLP via email e envie você diretamente.

6. Quanto tempo demora todo o processo? Vamos considerar uma margem larga: começando do 0 e procurando os documentos, traduzir, enviar, pode demorar um ano e meio (muito provavelmente menos, no meu caso, esse processo foi de 6 meses). O PMLP avisa que a resposta pode demorar em torno de um ano (no meu caso, apenas 6 meses). Portanto, considere algo entre 1 ano e 2 anos, dependendo da situação dos seus documentos.

7. O que acontece depois de enviar os documentos? O PMLP irá analisar os seus documentos e te responder. Se a resposta for positiva, você já é quase um cidadão leto, basta apenas um pequeno detalhe: a prova do idioma leto. Leia nossa outra páginas de dicas sobre a prova.